DOIS HOMENS de José Maria Vieira Mendes (a partir de Kafka)

dois_homens_a DOIS HOMENS de José Maria Vieira Mendes
Com Luís Gaspar Figurinos Rita Lopes Alves Cenografia Ana Paula Rocha Luz Pedro Domingos Operação de luz José Rui Silva Direcção técnica José Rui Silva Fotografia Jorge Gonçalves Produção Catarina Saraiva e Helena Bragança Gil Um projecto de Luís Gaspar e José Maria Vieira Mendes

Estreia Antiga Fábrica Mundet do Seixal. (Seminário SEM DEUS NEM CHEFE 1), 3 de Outubro de 1998.
Teatro da Comuna em Abril de 1999.
Espaço A Capital em 27 de Janeiro de 2000.

O texto está publicado no volume Três Peças Breves (Edições Cotovia).

Fez-se uma colagem de diversos escritos de Kafka (contos, diários, cartas e romances), de olhos postos, não no Kafka excessivamente apontado como crítico ou caricaturista de regimes e instituições, mas no Kafka escritor do Indivíduio, nas suas quase obsessivas reflexões autobiográficas sobre o processo de escrita que sempre vinha acompanhado por um desejo inatingível de perfeição, culpa de quase tudo o que do escritor nos resta se ter ficado pelo fragmento incompleto.
[...]

dois_homens_bO Funcionário deste monólogo poderia, também ele, ser mais um dos grandes K´s de Franz Kafka. Trata-se de um funcionário perdido num escritório morto, onde o tempo parou (onde todos os tempos existem), um funcionário que se faz centro de diversas narativas, quase todas elas por completar. Neste K., concentram-se, num turbilhão de reflexos, memórias, gestos aparentemente lógicos e palavras (bíblicas até), diversas personagens e narradores, vários Indivíduos que acabam por se acusar e ofender mutuamente, esquecendo-se que saem todos de uma só pessoa. E o discurso corre, naturalmente, sem um sujeito gramatical ou tempo verbal definido, numa hesitação titubeante que não é a de Kafka mas que dele não se afasta.
José Maria Vieira Mendes

Um Homem fala, caminhando num escritório onde o tempo parasse. Afunda-se atrás da secretária minúscula, quase colada ao corpo, arrasta-a, para voltar a afundar-se nela, cosido a um canto. Tem brilhantina no cabelo e fato escuro, move-se em ambiente sépia de fundo negro, a frouxa luz incide em madeira gasta, velhos papéis espalhados, pastas de arquivo amontoadas. Trancou-se no escritório, como à noite se tranca no quarto, sabendo, na sua consciência de condenado, que "não adianta trancar a porta, duas portas... ele entra na mesma".
Elisabete França
Diário de Notícias, 18/3/99

José Maria Vieira Mendes construiu um texto exemplar, de rigor e de sensibilidade, que engloba, na sua estratégia dramatúrgica, personagem, interlocutor e o mundo. Luís Gaspar construiu a personagem certa para a "medida" do seu texto.
João Carneiro
Expresso, 27/3/99

Um exaustivo compêndio de textos de Kafka. Quase podia dizer-se, o Kafka todo, compendiado por José Maria Vieira Mendes e encenado visceralmente por Luís Gaspar. A descontinuidade é uma característica deste teatro da palavra, onde, quando menos se espera, um Kafka esconde sempre outro Kafka, mais inesperado e inatingível.
Manuel João Gomes
Público, 5/11/99

Teatro da Politécnica

monica coelho prog ARTISTA DO MÊS
Mónica Coelho
a vertigem dos animais prog A VERTIGEM DOS ANIMAIS ANTES DO ABATE
de 13 de Setembro a 28 de Outubro
xana labirintoX001 prog LABIRINTO X001
de 13 de Setembro a 28 de Outubro
OS MORTOS NÃO BEBEM CHÁ de Damiil Harms foto Catarina Pé Curto prog OS MORTOS NÃO BEBEM CHÁ
a 3 e 4 de Novembro
jardim zoologico de vidro 10 prog JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO
de 8 a 18 de Novembro

Bilheteira

3ª a Sáb. das 17h00 até ao final do espectáculo

Preços:
Normal | 10 Euros
Descontos | estudantes | – 30 | + 65 | Grupos >10 | Protocolos | Profissionais do espectáculo | Dia do espectador (3ª) - 6 Euros

Bilhetes à venda

No Teatro da Politécnica, Reservas | 961960281, www.ticketline.sapo.pt, Fnac, Worten, C. C. Dolce Vita, El Corte Inglês, Casino Lisboa, Galeria Comercial Campo Pequeno, Lojas Viagens Abreu e INFORMAÇÕES/RESERVAS: Ligue 1820 (24 horas).

E fora da Politécnica

jardim zoologico de vidro 10 prog JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO
Na Guarda, no Teatro Municipal da Guarda a 4 de Novembro
Em Estarreja, no Cine-Teatro de Estarreja a 2 de Dezembro
Em Ponte de Lima, no Teatro Diogo Bernardes a 8 de Dezembro
a voz dos poetas prog A VOZ DOS POETAS
Na Biblioteca da Imprensa Nacional
13 de Novembro de 2017: Fernando Lemos por Jorge Silva Melo
5 de Fevereiro de 2018: Alberto de Lacerda por Jorge Silva Melo e Nuno
2 de Abril de 2018: Adolfo Casais Monteiro por Jorge Silva Melo e Luís Lucas
9 de Maio de 2018: Gomes Leal por Jorge Silva Melo e Manuel Wiborg
a arte em imagens 1 A ARTE DAS IMAGENS
De janeiro de 2017 a janeiro de 2018 nos primeiros domingos de cada mês, às 15h30, a Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva exibe os filmes produzidos pelos Artistas Unidos sobre artistas plásticos.

Livrinhos de Teatro

assinaturas 2018 fundo

Assinaturas Livrinhos de Teatro 2018

Assinar »»

Subscrever Newsletter