DOIS IRMÃOS de Fausto Paravidino

dois_irmaos_a DOIS IRMÃOS de Fausto Paravidino
Tradução Clara Rowland Com José Airosa, Pedro Marques, Carla Galvão e a voz de Fernanda Montemor Cenografia José Manuel Reis Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som Paulo Curado Encenação Jorge Silva Melo assistido por António Simão e António Filipe

Estreia Festival de Almada, 16 de Julho de 2004
Teatro Taborda, 22 de Julho de 2004
O texto está publicado na Revista nº 11 dos Artistas Unidos.

LEV Deixa-me ler.
ERICA O que é que sentes por mim?
LEV O quê?
ERICA Estás apaixonado por mim?
LEV Não.
ERICA Tinha medo que estivesses.
LEV Ah. E tu?
Fausto Paravidino, Dois Irmãos

Dois irmãos. Uma rapariga, um espaço fechado, uma cozinha, um crime. Que corpo é este que se intromete na vida dos dois irmãos? Que tragédia se desenha entre malgas de Corn Flakes e frascos de Nutella? Que serviço militar é aquele para que parte Lev? Que nomes russos são estes, os dos dois irmãos?
Uma peça breve, enigmática, uma tragédia em 53 dias e um dos autores mais originais do novo teatro europeu.

Em poucos anos, escreveu seis peças, cada qual do seu género: mas falando sempre dos jovens e dos seus problemas, por vezes dramáticos mas também cómicos, dada a bizarria das suas personagens retiradas da vida. Dos retratos de geração, Paravidino passa, após os acontecimentos de Julho de 2001 em Génova, ao teatro político com a facilidade de um verdadeiro escritor que sabe reinventar a vida, falando com descontraída e feroz imediatez dos nossos tiques e da sociedade ameaçadora.
Franco Quadri

“Acabou o tempo das frases normais” (Lev)

dois_irmaos_bTragédia de câmara em 53 dias - o subtítulo de Dois Irmãos enuncia deste modo dois dos principais elementos que determinam a extraordinária tensão desta breve peça em 23 cenas, vencedora do Prémio Tondelli e reveladora do percurso extremamente interessante deste jovem autor, que conta já com oito peças: o pequeno número de executantes envolvidos nesta pequena dança macabra e o espaço fechado onde se desenrolará. “A acção desenvolve-se numa cozinha/ num apartamento/ numa cidade” - lemos também. Tal como em Nunzio, de Spiro Scimone, estamos perante uma geografia indefinida: a cidade não tem nome, os pais moram numa aldeia distante onde há um lago e há Outono, ou talvez não. As palavras mentem sem o dizer, as cartas escondem a verdade por trás das invenções. Três personagens, ou talvez duas, apenas. A necessidade de restabelecer uma geometria comprometida num triângulo inicial. E uma cozinha como palco da loucura.

“Não é um problema de relações, é só um problema de limpeza”, avisa Boris, o irmão mais velho. Se é a partir da denegação que se cria o diálogo, que se encena uma comunicação perturbada em que nas palavras há muito mais do que o seu sentido imediato, ou haja apenas o mesmo sem-sentido, é verdade também que, já a partir do título, somos lembrados de que é de um problema de limpeza, de estabelecimento de simetria que se trata. Dois irmãos, Boris e Lev, e um terceiro elemento, Erica, namorada, objecto comum de desejo. Fonte de perturbação, motor da “limpeza” que irá reconstituir a verdade do título, eixo em torno do qual vão girar as tensões que fazem da peça quase um “thriller” psicológico. Alianças e traições, conjunções e separações e o fantasma de uma ligação superior, de uma força maior, da força que liga o mais velho ao mais novo, a relação doentia de dois irmãos.

A combinação das personagens vai mudando, jogada em torno das entradas e das saídas. Saindo, as personagens colocam-se a salvo, mas estão destinadas a regressar e a pagar a sua deserção (como Lev soldado). “Tentei sair, não se pode? Acho que também vos fazia bem”, diz Erica. E será depois da única saída do irmão mais velho que a destruição tomará conta da cozinha.

Depois há as cartas, cartas faladas, gravações em cassetes, para os pais e depois para Lev. Cartas onde a mentira é intencional, onde é proibido dizer a verdade. Cartas que marcam a fronteira entre as “nossas coisas”, que dizem respeito apenas aos irmãos, e Erica, o elemento exterior, que vem perturbar a fronteira entre mentira e verdade (ou entre as cartas e a realidade da cozinha) com os seus jogos da verdade e da mentira.

dois_irmaos_cA contaminação das palavras é irremediável e a crise inevitável. Somatizada por Boris, ganhará corpo na acção de Lev, que levará este diabólico jogo verbal até às últimas consequências. A música brutal criada para estes poucos executantes irá ser reduzida ao silêncio da ficção dos dois irmãos. Diz Boris: “Não sei se te estou a perguntar aquilo que queria” e responde o irmão: “Não te preocupes, também podemos não falar”. A redução dos músicos elimina a tensão e restabelece uma harmonia escura e silenciosa, feita agora de contacto físico. A sufocante força obtida por Paravidino neste texto ultrapassa o diálogo cerrado e a acção tensa e contida para iluminar essa cozinha perdida num mapa irreal. “A mãe gosta do Outono.” “Ela gosta de tudo.” “Porque é que não vamos lá vê-la?” “Com o nosso novo mercedes branco? Não podemos.” “Talvez de comboio.” “Não podemos.”
Clara Rowland

Teatro da Politécnica

monica coelho prog ARTISTA DO MÊS
Mónica Coelho
a vertigem dos animais prog A VERTIGEM DOS ANIMAIS ANTES DO ABATE
de 13 de Setembro a 28 de Outubro
xana labirintoX001 prog LABIRINTO X001
de 13 de Setembro a 28 de Outubro
jardim zoologico de vidro 10 prog JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO
de 8 a 18 de Novembro

Bilheteira

3ª a Sáb. das 17h00 até ao final do espectáculo

Preços:
Normal | 10 Euros
Descontos | estudantes | – 30 | + 65 | Grupos >10 | Protocolos | Profissionais do espectáculo | Dia do espectador (3ª) - 6 Euros

Bilhetes à venda

No Teatro da Politécnica, Reservas | 961960281, www.ticketline.sapo.pt, Fnac, Worten, C. C. Dolce Vita, El Corte Inglês, Casino Lisboa, Galeria Comercial Campo Pequeno, Lojas Viagens Abreu e INFORMAÇÕES/RESERVAS: Ligue 1820 (24 horas).

E fora da Politécnica

jogadores de pau miro prog JOGADORES de Pau Miró
Na RTP2, 23 de Setembro às 22h00
jardim zoologico de vidro 10 prog JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO
Na Guarda, no Teatro Municipal da Guarda a 4 de Novembro
Em Estarreja, no Cine-Teatro de Estarreja a 2 de Dezembro
Em Ponte de Lima, no Teatro Diogo Bernardes a 8 de Dezembro
a arte em imagens 1 A ARTE DAS IMAGENS
De janeiro de 2017 a janeiro de 2018 nos primeiros domingos de cada mês, às 15h30, a Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva exibe os filmes produzidos pelos Artistas Unidos sobre artistas plásticos.

Livrinhos de Teatro

assinaturas 2018 fundo

Assinaturas Livrinhos de Teatro 2018

Assinar »»

Subscrever Newsletter