DOIS IRMÃOS de Fausto Paravidino

dois_irmaos_a DOIS IRMÃOS de Fausto Paravidino
Tradução Clara Rowland Com José Airosa, Pedro Marques, Carla Galvão e a voz de Fernanda Montemor Cenografia José Manuel Reis Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som Paulo Curado Encenação Jorge Silva Melo assistido por António Simão e António Filipe

Estreia Festival de Almada, 16 de Julho de 2004
Teatro Taborda, 22 de Julho de 2004
O texto está publicado na Revista nº 11 dos Artistas Unidos.

LEV Deixa-me ler.
ERICA O que é que sentes por mim?
LEV O quê?
ERICA Estás apaixonado por mim?
LEV Não.
ERICA Tinha medo que estivesses.
LEV Ah. E tu?
Fausto Paravidino, Dois Irmãos

Dois irmãos. Uma rapariga, um espaço fechado, uma cozinha, um crime. Que corpo é este que se intromete na vida dos dois irmãos? Que tragédia se desenha entre malgas de Corn Flakes e frascos de Nutella? Que serviço militar é aquele para que parte Lev? Que nomes russos são estes, os dos dois irmãos?
Uma peça breve, enigmática, uma tragédia em 53 dias e um dos autores mais originais do novo teatro europeu.

Em poucos anos, escreveu seis peças, cada qual do seu género: mas falando sempre dos jovens e dos seus problemas, por vezes dramáticos mas também cómicos, dada a bizarria das suas personagens retiradas da vida. Dos retratos de geração, Paravidino passa, após os acontecimentos de Julho de 2001 em Génova, ao teatro político com a facilidade de um verdadeiro escritor que sabe reinventar a vida, falando com descontraída e feroz imediatez dos nossos tiques e da sociedade ameaçadora.
Franco Quadri

“Acabou o tempo das frases normais” (Lev)

dois_irmaos_bTragédia de câmara em 53 dias - o subtítulo de Dois Irmãos enuncia deste modo dois dos principais elementos que determinam a extraordinária tensão desta breve peça em 23 cenas, vencedora do Prémio Tondelli e reveladora do percurso extremamente interessante deste jovem autor, que conta já com oito peças: o pequeno número de executantes envolvidos nesta pequena dança macabra e o espaço fechado onde se desenrolará. “A acção desenvolve-se numa cozinha/ num apartamento/ numa cidade” - lemos também. Tal como em Nunzio, de Spiro Scimone, estamos perante uma geografia indefinida: a cidade não tem nome, os pais moram numa aldeia distante onde há um lago e há Outono, ou talvez não. As palavras mentem sem o dizer, as cartas escondem a verdade por trás das invenções. Três personagens, ou talvez duas, apenas. A necessidade de restabelecer uma geometria comprometida num triângulo inicial. E uma cozinha como palco da loucura.

“Não é um problema de relações, é só um problema de limpeza”, avisa Boris, o irmão mais velho. Se é a partir da denegação que se cria o diálogo, que se encena uma comunicação perturbada em que nas palavras há muito mais do que o seu sentido imediato, ou haja apenas o mesmo sem-sentido, é verdade também que, já a partir do título, somos lembrados de que é de um problema de limpeza, de estabelecimento de simetria que se trata. Dois irmãos, Boris e Lev, e um terceiro elemento, Erica, namorada, objecto comum de desejo. Fonte de perturbação, motor da “limpeza” que irá reconstituir a verdade do título, eixo em torno do qual vão girar as tensões que fazem da peça quase um “thriller” psicológico. Alianças e traições, conjunções e separações e o fantasma de uma ligação superior, de uma força maior, da força que liga o mais velho ao mais novo, a relação doentia de dois irmãos.

A combinação das personagens vai mudando, jogada em torno das entradas e das saídas. Saindo, as personagens colocam-se a salvo, mas estão destinadas a regressar e a pagar a sua deserção (como Lev soldado). “Tentei sair, não se pode? Acho que também vos fazia bem”, diz Erica. E será depois da única saída do irmão mais velho que a destruição tomará conta da cozinha.

Depois há as cartas, cartas faladas, gravações em cassetes, para os pais e depois para Lev. Cartas onde a mentira é intencional, onde é proibido dizer a verdade. Cartas que marcam a fronteira entre as “nossas coisas”, que dizem respeito apenas aos irmãos, e Erica, o elemento exterior, que vem perturbar a fronteira entre mentira e verdade (ou entre as cartas e a realidade da cozinha) com os seus jogos da verdade e da mentira.

dois_irmaos_cA contaminação das palavras é irremediável e a crise inevitável. Somatizada por Boris, ganhará corpo na acção de Lev, que levará este diabólico jogo verbal até às últimas consequências. A música brutal criada para estes poucos executantes irá ser reduzida ao silêncio da ficção dos dois irmãos. Diz Boris: “Não sei se te estou a perguntar aquilo que queria” e responde o irmão: “Não te preocupes, também podemos não falar”. A redução dos músicos elimina a tensão e restabelece uma harmonia escura e silenciosa, feita agora de contacto físico. A sufocante força obtida por Paravidino neste texto ultrapassa o diálogo cerrado e a acção tensa e contida para iluminar essa cozinha perdida num mapa irreal. “A mãe gosta do Outono.” “Ela gosta de tudo.” “Porque é que não vamos lá vê-la?” “Com o nosso novo mercedes branco? Não podemos.” “Talvez de comboio.” “Não podemos.”
Clara Rowland

Teatro da Politécnica

Bilheteira

3ª a Sáb. das 17h00 até ao final do espectáculo

Preços:
Normal | 10 Euros
Descontos | estudantes | – 30 | + 65 | Grupos >10 | Protocolos | Profissionais do espectáculo | Dia do espectador (3ª) - 6 Euros

Bilhetes à venda

No Teatro da Politécnica, Reservas | 961960281, www.ticketline.sapo.pt, Fnac, Worten, C. C. Dolce Vita, El Corte Inglês, Casino Lisboa, Galeria Comercial Campo Pequeno, Lojas Viagens Abreu e INFORMAÇÕES/RESERVAS: Ligue 1820 (24 horas).

E fora da Politécnica

O GRANDE DIA DA BATALHA prog O GRANDE DIA DA BATALHA variações sobre o ALBERGUE NOCTURNO de Máximo Gorki
No Teatro Nacional D. Maria II de 18 de Janeiro a 25 de Fevereiro
a voz dos poetas prog A VOZ DOS POETAS
Na Biblioteca da Imprensa Nacional
5 de Fevereiro de 2018: Alberto de Lacerda por Jorge Silva Melo e Nuno
2 de Abril de 2018: Adolfo Casais Monteiro por Jorge Silva Melo e Luís Lucas
9 de Maio de 2018: Gomes Leal por Jorge Silva Melo e Manuel Wiborg
a arte em imagens 1 A ARTE DAS IMAGENS
De janeiro de 2017 a janeiro de 2018 nos primeiros domingos de cada mês, às 15h30, a Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva exibe os filmes produzidos pelos Artistas Unidos sobre artistas plásticos.

Livrinhos de Teatro

assinaturas 2018 fundo

Assinaturas Livrinhos de Teatro 2018

Assinar »»

Subscrever Newsletter