TELEFONO-TE DEPOIS de Sofia Areal

telefono_depois_a TELEFONO-TE DEPOIS de Sofia Areal
Teatro Taborda
11 Setembro a 26 Outubro 2003

Costumo frequentemente utilizar a expressão "sem história" para designar objectos neutros, que não nos interpelam. Por exemplo, uma parede branca, sem história. Apercebi-me de que quero a minha pintura no extremo oposto, interpelando, manifestando-se, activa, por outras palavras: com história.
Sofia Areal

Considerada uma das mais interessantes artistas portuguesas, Sofia Areal pertence a um grupo que encontrou na revalorização dos valores expressivos da pintura, ocorrida na década de 80, o seu campo de trabalho ideal.
Susana Silva, Revista Visão.

"Telefono-te depois"
Cartografia do silêncio e da luz
Há uma noite profunda e intacta nesta pintura de Sofia Areal. Uma noite física, astronómica, reveladora de uma feição de afeição ao mundo. Dir-se-ia que é de tanto olhar o céu, muito antes da madrugada. Porque é a noite que permite, gera e esclarece o dia.
Pitagórica, na sua definição esférica das formas celestes, clássica na tomada do céu nocturno como pretexto, Sofia não hesita, contudo, em inscrever no universo o seu direito à dúvida, à perturbação. Finalmente, à alegria. Observar o alto para compreender o chão. Pintar a noite para refazer, a custo de pulso, o pulsar do dia.
No início era o círculo, dir-se-ia ao perceber no tondo a raiz azul. Escurecida essa cor celeste, na qual o cianómetro de Goethe não poderia prever acidentes meteorológicos, sobre ela se instalou o negro, rasgado de brancos e centrado a vermelho. No início era o círculo, sim, mas logo depois a distorção se afirmou. O universo não é, afinal, como Pitágoras o previu, e as órbitas são ovais, perturbação do que é por definição perfeito e intemporal. Introduzido o claro movimento, ele torna-se incessante, imprevisível e acidental, inscreve-se lenta e contidamente sobre o fundo nocturno.
Fragmentos do universo, estas pinturas evidenciam um desejo de precisão, clareza, esclarecimento. E de completude. E se nas oito telas ovais, como também no tondo, o negro impera, apenas cortado pelos amarelos e depois pelos brancos, nos desenhos a paleta abre-se em luz. Aqui, onde a rigidez do lápis alimenta a limpidez do traço, já se permitem, como contraponto, as explosões de cor. E, assim, o vermelho sanguíneo, terroso, alia-se aos azuis, aos verdes mais vestidos de amarelo ou de branco, ao negro, à cor do suporte (jamais coberto por inteiro), num jogo de transparências e revelações que permite a ampla interacção entre a aguarela, o acrílico e o lápis. Organizados em duas fileiras de sete elementos rigorosamente quadrados, os desenhos escrevem-se como pontos em linhas paralelas – as que o destino ou a ciência ainda não uniram. E, contudo, eles encontram-se em leituras cruzadas, lineares, curvas, desdobram-se em linhas e manchas, num contínuo-descontínuo, música e pausa.
A essencialidade, que permitiu o desaparecimento das espirais, tão presentes na obra de Sofia, deu lugar, nestas peças, a um maior silêncio. E no seu universo esse silêncio é benigno, criador. Da noite pesada e densa, onde só ela coube, onde só ela pôde, ela raspou com as mãos, fazendo e refazendo, até voltar a ver a luz do dia. O devir, como a alegria, nada tem de óbvio nem de fácil.
Porque como Nietzsche escreveu um dia, quando se olha muito tempo para dentro de um abismo, ele também olha para dentro de nós. Arriscaria eu que o mesmo se dirá dos que observam a noite para melhor compreender o dia. Como aqui claramente se constata.
Emília Ferreira

Teatro da Politécnica

Bilheteira

3ª a Sáb. das 17h00 até ao final do espectáculo

Preços:
Normal | 10 Euros
Descontos | estudantes | – 30 | + 65 | Grupos >10 | Protocolos | Profissionais do espectáculo | Dia do espectador (3ª) - 6 Euros

Bilhetes à venda

No Teatro da Politécnica, Reservas | 961960281, www.bol.pt, Fnac, Worten, CTT, El Corte Inglês, Pousadas da Juventude, Serveasy, Pagaqui. Para INFORMAÇÕES/RESERVAS: Ligue 1820 (24 horas).

E fora da Politécnica

fragil 1 prog FRÁGIL
Em Sobral de Monte Agraço, no CineTeatro Sobral a 28 de Abril
Em Sintra, no Chão de Oliva a 4 e 5 de Maio
Em Aveiro, no Teatro Gretua a 8 e 9 de Junho

o rapaz de ucello prog

O RAPAZ DE UCELLO ou aquilo que nunca perguntei ao Álvaro Lapa
No Porto, no Auditório de Serralves, 6 de Maio às 18h00

O Teatro da Amante Inglesa prog O TEATRO DA AMANTE INGLESA
Em Évora, n’A Bruxa Teatro a 11 e 12 de Maio
Em Alverca, no Teatro Estúdio Ildefonso Valério a 26 de Maio
Em Setúbal, no Fórum Luísa Todi a 29 de Agosto
a voz dos poetas prog A VOZ DOS POETAS
Na Biblioteca da Imprensa Nacional
7 de Maio - Gomes Leal por Jorge Silva Melo e Manuel Wiborg
fernando lemos prog FERNANDO LEMOS - como? Não é retrato?
de Jorge Silva Melo
Na RTP2, 9 de Maio às 23h15
EM VOZ ALTA prog EM VOZ ALTA os nossos poetas

Livrinhos de Teatro

capa115

O TEATRO DA AMANTE INGLESA
de Marguerite Duras
Livrinhos de Teatro nº 115 Artistas Unidos/Cotovia

Livraria online »»

Subscrever Newsletter