MOUCHETTE/COLETTE de Arne Sierens

mouchette_a MOUCHETTE/COLETTE de Arne Sierens
Versão Jorge Silva Melo Com Joana Bárcia, António Simão e a voz de Isabel Muñoz Cardoso Cenografia e figurinos Rita Lopes Alves , Rosa Gonçalves e José Manuel Reis Luz Pedro Domingos Som André Pires Encenação Pedro Carraca com a colaboração de Gracinda Nave e Jorge Silva Melo Colaboração no movimento de Filipa Francisco
Uma produção DAS THEATER /Artistas Unidos

Estreia Voruuit, Gand (Bélgica) 24 de Maio de 2002
Salão da Voz do Operário, 15 de Novembro de 2002

O texto está publicado no volume O MEU BLACKIE E OUTRAS PEÇAS (Ed. Campo das Letras)

MOUCHETTE (Mouchette, 1990): Esta foi a peça que ajudou a lançar Arne Sierens junto de um público mais vasto. Inspirada, e com o objectivo de homenagear o filme homónimo de Robert Bresson, mas com uma narrativa própria, esta peça conta-nos a história da relação entre Arsénio, um "tipo bizarro", homem abandonado pela sua mulher, e Colette, uma rapariga de 14 anos. No bairro onde vivem todas as casas são parecidas. Uma rapariga sozinha, a mãe doente, as mentiras da menina. E um homem que roda a casa e volta todos os dias. Uma amizade nasce entre o homem marginalizado e a menina sozinha, uma fascinação. E há um vestido de sevilhana para o fim, um vestido como deve ser, encarnado com bolas brancas, folhos nos ombros.

"Sempre disse: 'Escrevo metade de histórias', são histórias incompletas. O público deve adicionar-lhe a sua própria história. Juntas elas fazem o teatro. A sugestão é muito importante. Não convém dar muito. O que gosto em MOUCHETTE é que há uma espécie de felicidade e desespero ao mesmo tempo. É negro e há humor. (...) Arsène e Coulette são dois cães, é um combate de boxe com os seus próprios instrumentos. É uma linguagem quotidiana da rua, mas a forma é teatro puro, um ringue... O público deverá sentir qualquer coisa do tipo Aaaah, isso não é muito simpático...! É a vida!" Arne Sierens

"Arne Sierens descreve o seu processo de trabalho como "realismo transcendental", termo emprestado de um livro de Paul Schrader sobre Ozu e Bresson, os seus dois grandes modelos. (.) Em vez de interpretar, Sierens tenta captar o homem na sua nudez. Na redução, ele revela as linhas principais, contando por meio do detalhe e buscando o essencial. O teatro é antes de tudo a evocação de emoções e não o despejar de conteúdo."
in Arne Sierens: Kritisch Theater Lexicon, Vlaams Theater Instituut, 2001

"Em MOUCHETTE, Sierens consegue agregar arquétipos nas duas personagens. Cada personagem congrega em si numerosas personagens. (...) Ao contrário de Bresson, Sierens concentra-se mais nas estratégias de sobrevivência e fuga das suas personagens de classe baixa do que na sua miséria. Para o fazer, a música desempenha um papel importante."
in Arne Sierens: Kritisch Theater Lexicon, Vlaams Theater Instituut, 2001

mouchette_b"Ao longo dos anos Sierens tem vindo a precisar de cada vez menos linguagem para contar as suas histórias. As suas peças têm-se tornado textos físicos que, em certos casos, de pouco texto necessitam para exercer um forte efeito de acção sobre o público."
in Arne Sierens: Kritisch Theater Lexicon, Vlaams Theater Instituut, 2001

"As suas peças não apresentam uma fatia da realidade, mas transcendem-na constantemente. O que resulta é uma metáfora, que nunca perde a sua relação com o banal."
Griet Op De Beeck, in Etcetera, vol.15, nº 61, 1997, p. 52-54

"O teatro de Sierens permanece um teatro de pobreza nos dois sentidos da palavra: sensível ao mundo das suas personagens da classe trabalhadora e às suas estratégias de sobrevivência, e, ao mesmo tempo, procurando uma expressão teatral que passe por imagens destiladas e palavras acumuladas em novas camadas."
in Arne Sierens: Kritisch Theater Lexicon, Vlaams Theater Instituut, 2001

Teatro da Politécnica

monica coelho prog ARTISTA DO MÊS
Mónica Coelho
a vertigem dos animais prog A VERTIGEM DOS ANIMAIS ANTES DO ABATE
de 13 de Setembro a 28 de Outubro
xana labirintoX001 prog LABIRINTO X001
de 13 de Setembro a 28 de Outubro
jardim zoologico de vidro 10 prog JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO
de 8 a 18 de Novembro

Bilheteira

3ª a Sáb. das 17h00 até ao final do espectáculo

Preços:
Normal | 10 Euros
Descontos | estudantes | – 30 | + 65 | Grupos >10 | Protocolos | Profissionais do espectáculo | Dia do espectador (3ª) - 6 Euros

Bilhetes à venda

No Teatro da Politécnica, Reservas | 961960281, www.ticketline.sapo.pt, Fnac, Worten, C. C. Dolce Vita, El Corte Inglês, Casino Lisboa, Galeria Comercial Campo Pequeno, Lojas Viagens Abreu e INFORMAÇÕES/RESERVAS: Ligue 1820 (24 horas).

E fora da Politécnica

jogadores de pau miro prog JOGADORES de Pau Miró
Na RTP2, 23 de Setembro às 22h00
jardim zoologico de vidro 10 prog JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO
Na Guarda, no Teatro Municipal da Guarda a 4 de Novembro
Em Estarreja, no Cine-Teatro de Estarreja a 2 de Dezembro
Em Ponte de Lima, no Teatro Diogo Bernardes a 8 de Dezembro
a arte em imagens 1 A ARTE DAS IMAGENS
De janeiro de 2017 a janeiro de 2018 nos primeiros domingos de cada mês, às 15h30, a Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva exibe os filmes produzidos pelos Artistas Unidos sobre artistas plásticos.

Livrinhos de Teatro

assinaturas 2018 fundo

Assinaturas Livrinhos de Teatro 2018

Assinar »»

Subscrever Newsletter