ADAM de Frances Poet

ADAM de Frances Poet_fotografia de Jorge Gonçalves_lona prog.

ADAM de Frances Poet Tradução Nuno Gonçalo Rodrigues Com Eduarda Arryaga e Tomás de Almeida e as vozes de Andreia Bento, Francisco Silva, João Pedro Mamede, Pedro Carraca e Tiago Câmara Pereira Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Vídeo Marie Jiménez Consultoria Adam Kashmiry e Dani Bento (GRIT/ILGA Portugal) Encenação Andreia Bento e Nuno Gonçalo Rodrigues M14

No Teatro da Politécnica de 8 a 24 de Junho
3ª a 5ª às 19h00 | 6ª às 21h00 | Sáb às 16h00 e às 21h00

ADAM ESCOCÊS Em árabe, as palavras são masculinas ou femininas. É uma língua que gosta que as coisas sejam uma coisa ou a outra. Em inglês, dizes “the teacher” e não sei se é um homem ou uma mulher – é irrelevante. Eu gosto do inglês. Gosto das palavras que têm para as coisas. As palavras não são sempre preto no branco. Nem nós.
Frances Poet, Adam

Quando nasces num país onde seres quem és te pode matar, o exílio é a única hipótese. Adam é a história verídica de um jovem trans: Adam Kashmiry. Do Egipto para a Escócia, a peça mostra a sua jornada para encontrar um lugar a que possa chamar lar. Um lugar em que possa existir.
Uma visão ressonante sobre o tema da identidade. Adam leva esta experiência pessoal para o campo universal do teatro. A dúvida e a dor, a esperança e o amor, a família e a solidão, a angústia e a certeza. Contrónimo – uma palavra que é uma coisa e o seu contrário.

Andreia Bento e Nuno Gonçalo Rodrigues