ASNO DE OURO de Lucius Apuleius

Asno de Ouro

ASNO DE OURO a partir da obra de Lucius Apuleius Versão Cénica, Encenação e Direção Plástica Luciano Amarelo Interpretação Diogo Freitas e Luciano Amarelo Música Miguel Cordeiro Adereços Simone dos Prazeres  Guarda-roupa O Capote – Trajes Cartaz Lynx Tungur Produção Executiva, Desenho de Luz, Operação de Luz e Fotografia Alexandre Costa Co-produção Calafrio / Teatro Municipal da Guarda M/12

Duração 75 min.

No Teatro da Politécnica de 19 a 20 Março
6ª às 21h00 | Sáb às 16h00 e às 21h00

Este Asno de Ouro revela-se, assim e agora, como um exemplo de uma catarse necessária, uma carnavalização representada pela tendência de oposição à norma, uso do instinto, revolta, crítica, em suma, uma negação de valores maiores ou socialmente aceites.

Temos aqui o herói, homem por dentro, asno por fora, usando a sua condição física para melhor ouvir e pensar sem punição, em oposição ao herói contemporâneo.

Através da incrível odisseia de Lucius, podemos acompanhar a viagem ao maravilhoso – porque é a esse mundo do fantástico que nos remetem as aventuras do homem transformado em asno, e, como tal, viajante de terras inóspitas e memoráveis como as dos contos de fadas – e viagem ao mítico – porque a esse tempo nos conduzem as peripécias do jovem ansioso por conhecer as artes mágicas, bem como a própria condição de asno a que se vê submetido.