CARLA BOLITO

carla bolito

Inicia-se em 1990 no teatro no Círculo de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra. No ano seguinte ingressou no curso de Actores do Instituto de Formação, Investigação e Criação Teatral e no Instituto Franco-Português. Entre 1995 e 1997 foi actriz residente do Teatro O Bando onde trabalhou com João Brites, Raúl Atalaia e Horácio Manuel. Desde então tem trabalhado com Ana Nave, José Peixoto, Lúcia Sigalho ou Jorge Silva Melo. No cinema participou em filmes de Joaquim Sapinho, Teresa Ramos, Edgar Pêra, Ivo Ferreira, Eduardo Guedes e Fernando Vendrell. Em 1995 ganhou o prémio de Melhor Interpretação Feminina no Festival de Cinema de Genebra. Participou em coreografias de Olga Roriz e Clara Andermatt. Em 2000 apresentou a sua primeira encenação, Areena em parceria com Rafaela Santos, no CCB, a que se seguiram Transfer (2002), a partir de um texto de sua autoria, e A Arte da Fome (2017), a partir de Kafka.

Nos Artistas Unidos:
2000 – RUÍNAS de Sarah Kane, encenação de Jorge Silva Melo e Paulo Claro (A Capital Teatro Paulo Claro); Leituras de TEATRO NEERLANDÊS: AMADOR de Gerardjan Rijnders; PERDA TOTAL de Karst Woudstra; OS CASAMENTOS DE LEA de Judith Herzberg; DONA DE CASA de Esther Gerritsen; CONSTRUTOR(ES) DE TÚNEIS de Don Duyns; O MEU BLACKIE de Arne Sierens (Espaço A Capital); Leitura de O AMOR DE FEDRA de Sarah Kane (Espaço A Capital); Leituras de O TEATRO QUE VEM DA ESCÓCIA: LUGARES DE PASSAGEM de Stephen Greenhorn, A ÚLTIMA MENSAGEM DO COSMONAUTA PARA A MULHER QUE UM DIA AMOU NA ANTIGA UNIÃO SOVIÉTICA de David Greig, PRESENÇA de David Harrower, RUG COMES TO SHUV, ENTES CEGO e UMA COISA É CERTA de Duncan McLean (Espaço A Capital).
2003 – CADA DIA A CADA UM A LIBERDADE E O REINO, montagem de textos de Pedro Marques e Jorge Silva Melo, encenação de Jorge Silva Melo (Sala do Senado da Assembleia da República).
2018
NADA DE MIM de Arne Lygre, encenação Pedro Jordão (Teatro da Politécnica).