VICTORIA STATION de Harold Pinter

victoria_station_a VICTORIA STATION de Harold Pinter
Tradução Jorge Silva Melo Com Rogério Vieira e António Simão Cenografia José Manuel Reis Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Um trabalho de Rogério Vieira e António Simão assistidos por Jorge Silva Melo e Alda Moreira

Estreia Teatro Taborda, 11 de Setembro de 2003

O texto está publicado no volume TEATRO II de Harold Pinter (Ed. Relógio d´Água ).

Um homem da central de táxis, um motorista. E o inesperado acontece no meio deste diálogo trivial.

Homem da Central Nunca ouviu falar de Victoria Station?
Motorista Eu não, nunca.
Homem da Central É uma estação famosa.
Motorista Então olhe, pergunto-me o que é que andei a fazer estes anos todos.
Homem da Central O que é que andou a fazer estes anos todos?
Motorista Se quer que lhe diga, não sei lá muito bem.
Harold Pinter, VICTORIA STATION

VICTORIA STATION estreou a 14 de Outubro de 1982 no National Theatre, integrada no espectáculo OTHER PLACES (que incluía ainda A KIND OF ALASKA e FAMILY VOICES). A encenação era de Peter Hall e a interpretação de Paul Rogers (Homem da Central) e Martin Jarvis (Motorista).

VICTORIA STATION não podia ter sido escrita por absolutamente mais ninguém; só Pinter podia trazer a este diálogo o interesse pela manipulação mútua, a banalidade e ao mesmo tempo a estranheza da linguagem, do lugar e das acções, a indefinível sensação de desconforto que nos deixa sem saber se não estaremos a ouvir dois espectros jogando o seu derradeiro ritual numa Londres vazia e abafada.
Benedict Nightingale, The Spectator, 22 de Outubro de 1982

victoria_station_bEm VICTORIA STATION, um motorista de táxi parado junto a um "jardim sombrio" no Crystal Palace e o homem da central que, progressivamente enlouquecido, se debate através das ondas hertzianas com a incompreensão aturdida do outro e com a sua própria solidão atroz esboçam os contornos de uma dependência mútua tão desesperada e carregada de mal-entendidos que a promessa do homem da central para "ir aí ter" soa como uma ameaça de morte e o suplicante "Não me deixe" do taxista balbuciado para o rádio soa como o grito de uma criança indefesa. Um no seu escritório obscurecido, o outro no seu táxi obscurecido, falam dos ossos do ofício de forma cada vez menos convincente e ambos acabam por ceder à fantasia escapista. Irá o homem da central "lá ter" ou trará o motorista de volta para uma boa chávena de chá? Tem este um Passageiro A Bordo, uma rapariga adormecida por quem, como diz, se apaixonou, e ficará no Crystal Palace para sempre? Terá talvez assassinado a rapariga? Tê-la-á agredido? Passar-lhe-ão estas coisas pela cabeça sequer?
Alan Jenkins, Times Litterary Supplement, 29 de Outubro de 1982

VICTORIA STATION é Pinter vintage, a fazer lembrar O SERVIÇO e CÂMARA ARDENTE. É como se Pinter, depois da aventura estilística de TRAIÇÕES, estivesse a experimentar com dois estilos e abordagens diferentes, procurando uma nova síntese entre o grotesco surrealista por um lado e um realismo metafísico por outro.
Martin Esslin

Teatro da Politécnica

VEMO NOS AO NASCER DO DIA de ZInnie Harris prog VEMO-NOS AO NASCER DO DIA
de 6 de Novembro a 14 de Dezembro
RETRATO DE UM RAPAZ prog RETRATO DE UM RAPAZ
de 6 de Novembro a 14 de Dezembro

Bilheteira

3ª a Sáb. das 17h00 até ao final do espectáculo

Preços:
Normal | 10 Euros
Descontos | estudantes | – 30 | + 65 | Grupos >10 | Protocolos | Profissionais do espectáculo | Dia do espectador (3ª) - 6 Euros

Bilhetes à venda

No Teatro da Politécnica, Reservas | 961960281, 212473972, www.bol.pt, Fnac, Worten, CTT, El Corte Inglês, Pousadas da Juventude, Serveasy, Pagaqui. Para INFORMAÇÕES/RESERVAS: Ligue 1820 (24 horas).

E fora da Politécnica

VEMO NOS AO NASCER DO DIA de ZInnie Harris prog VEMO-NOS AO NASCER DO DIA
No Teatro Estúdio-Ildefonso Valério a 25 e 26 de Outubro
VIDAS ÍNTIMAS de Nöel Coward prog VIDAS ÍNTIMAS
No Teatro Municipal de Vila Real a 31 de Outubro de 2019
No Teatro Municipal da Guarda a 9 de Novembro de 2019
No Porto, no Teatro Nacional São João de 14 de Novembro a 1 de Dezembro de 2019
No Teatro Aveirense a 6 de Dezembro de 2019
Em Ponte de Lima, no teatro Diogo Bernardes a 14 de Dezembro de 2019
Na Póvoa de Varzim, no Cine-Teatro Garrett a 4 de Janeiro de 2020
Em Setúbal, no Fórum Municipal Luísa Todi a 11 de Janeiro de 2020
Em Santarém, no Teatro Municipal Sá da Bandeira a 18 de Janeiro de 2020
Em Braga, no Theatro Circo a 24 de Janeiro de 2020
Em Leiria, no Teatro José Lúcio da Silva a 6 de Fevereiro de 2020
Em Coimbra, no Convento S. Francisco a 8 de Fevereiro de 2020
Em Viana do Castelo, no Teatro Sá de Miranda a 15 de Fevereiro de 2020
Em Viseu, no Teatro Viriato a 21 e 22 de Fevereiro de 2020
No Teatro-Cine de Torres Vedras a 28 de Fevereiro de 2020
Em Torres Novas, no Teatro Virgínia a 29 de Fevereiro de 2020
No CCB – Centro Cultural de Belém de 4 a 9 de Março de 2020
a voz dos poetas prog A VOZ DOS POETAS
Biblioteca da Imprensa Nacional (Rua da Escola Politécnica)

11 de Novembro – José Gomes Ferreira por João Meireles (distribuição em curso)

EM VOZ ALTA prog EM VOZ ALTA
os nossos poetas leituras de poesia portuguesa pelos Artistas Unidos

Livrinhos de Teatro

K 128 Zinnie

VEMO-NOS AO NASCER DO DIA/ MAIS LONGE QUE A COISA MAIS LONGE
De Zinnie Harris
Livrinhos de Teatro nº 128 Artistas Unidos/Cotovia

Livraria online »»

Subscrever Newsletter