MARIA JOÃO LUÍS

Maria João Luís

Estreou-se no teatro em 1985 no grupo de Teatro A BARRACA (Um dia na Capital do Império, Um Homem é um Homem, Fernão Mentes?, O Diabinho da Mão Furada e O Baile sempre com encenação de Helder Costa). Trabalhou ainda no Grupo de Teatro da Casa da Comédia, Acarte, Teatro da Malaposta, Teatro da Comuna. No Teatro da Cornucópia participou em A Comédia de Rubena de Gil Vicente (enc.: Luís Miguel Cintra), Antes que a noite venha de Eduarda Dionísio (enc.:Adriano Luz), Tito Andrónico de Shakespeare e Um Homem é um Homem de Bertolt Brecht (enc.: Luis Miguel Cintra). Trabalha frequentemente com António Pires, no Teatro do Bairro. Fundou com Pedro Domingos o Teatro da Terra, em Ponte de Sor, encenando e interpretando várias peças. Interpretou várias peças na televisão com direcção de Ferrão Katzenstein, Artur Ramos, Cecilia Neto e Luís Filipe Costa. Presença regular em séries e novelas da televisão, trabalhou no cinema com Fernando Matos Silva, Teresa Vilaverde, João Botelho, Patrícia Sequeira, Michael Sturminger, Teresa Ramos, Inês Oliveira, Fernando Lopes, Paulo Rebelo e Luis Filipe Rocha, entre outros.

Nos Artistas Unidos:
2000
Leituras de Teatro Neerlandês.
2006STABAT MATER de Antonio Tarantino, encenação de Jorge Silva Melo (Convento das Mónicas).
2008NORUEGA-LISBOA-NORUEGA (Fundação Calouste Gulbenkian; São Luiz Teatro Municipal).
2010 HEDDA de José Maria Vieira Mendes a partir de Hedda Gabler de Henrik Ibsen, encenação de Jorge Silva Melo (São Luiz);
2015DOCE PÁSSARO DA JUVENTUDE de Tennessee Williams, encenação de Jorge Silva Melo (São Luiz).
2017A NOITE DA IGUANA de Tennessee Williams, encenação de Jorge Silva Melo (SLTM, TNSJ)