UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA a partir do romance de Bohumil Hrabal

UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA_fotografia Jorge Gonçalves_2

UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA a partir do romance de Bohumil Hrabal de e Com António Simão Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos M12

Em Aveiro, no GrETUA a 7 de Novembro
No EmCena, em Santo André, no ESPAM a 13 de Novembro
Em Santiago do Cacém, no Auditório António Chainho a 14 de Novembro
Na Póvoa de Varzim, no Cine-Teatro Garrett a 9 de Janeiro
Em Alverca, no Teatro Estúdio Ildefonso Valério a 29 e 30 de Janeiro

No Festival de Almada, no Incrível Almadense de 10 a 12 de Julho de 2020
Nas Caldas da Rainha, no Teatro da Rainha de 16 a 18 de Julho de 2020
No Festival Internacional de Teatro de Setúbal a 23 de Agosto de 2020
No Teatro da Politécnica de 27 de Agosto a 19 de Setembro de 2020
No Teatro Municipal Joaquim Benite de 25 a 27 de Setembro de 2020
No Cacém, no Auditório Municipal António Silva a 3 de Outubro de 2020

“O céu não é humano e o homem que pensa nem sequer pode ser humano.”
Bohumil Hrabal

Criado em 1997, com estreia no CCB, os Artistas Unidos retomam agora, 23 anos depois, um espectáculo criado por António Simão a partir da novela de Bohumil Hrabal, autor maior. Não é uma reposição, é uma revisão da matéria dada.

Em Praga, há uma cave. Brilhante como uma gruta de tesouros. Sombria e suja como um esgoto. Nessa cave há milhares de livros, centenas de ratos, visões passageiras e palavras que tornam o mundo grande. E há um homem, Hanta. Que há 30 anos empurra afectuosamente os livros, os mais belos e mais banais, para a prensa que os tritura e transforma em cubos de papel. Mas Hanta é um “carniceiro terno”. Sabe salvaguardar as palavras guardando-as na memória, para que elas brilhem que nem sóis, e para que esses sóis o ajudem a ver como pode ser a vida de um homem. Por entre a poeira, o suor e o cheiro a cerveja que não pára de beber, Hanta fala-nos.
Evelyne Pieiller

Fotografia: Jorge Gonçalves